Homo homini lupus

Não sei por que invoquei Mozart, o compositor, para traçar minhas letras mal rascunhadas. Ouvi apenas uma voz chamando seu nome. Seu meticuloso trabalho, que somou mais de 600 obras ao longo da carreira, deve-se muito à forma rigorosa com que seu pai, o Mozão, atribuiu, no filho, a disciplina. Sempre tive dificuldade em me disciplinar até mesmo para o café da manhã. Certos dias farto; noutros, escasso (apenas o suficiente e necessário, assim como um pão com manteiga).

Mozart, em nada, tem a ver com o assunto, mas conduz-me por meio de suas músicas nesta doce ansiedade de chegar definitivamente ao ponto. Donde partir? Quem é Brecht? Berthold Brecht? Eugen Berthold Friederich Brecht? O gênio Berthold? The rich Fried in these poor hands? Talvez aí um elo forçado de ligação.

Fred Navarro, o jornalista outrora de perfil traçado, assim como pelos textos de próprio punho e vias de fato, trouxe a mim – mesmo que virtualmente – um trabalho inédito e em parceria com o artista, escultor, ilustrador dotado de sensibilidade ímpar Cavani Rosas.

Amigos de infância, época em que o bigodinho ainda traçava pelos finos e contados a dedo, Fred e Cavani mantiveram viva, desde os 15 anos, a amizade. Mesmo trilhando caminhos ora numa única via, ora separados pelos entrocamentos do destino, não permitiram que a memória padecesse.

Décadas depois, os moleques da majestosa Recife – umbigo cultural do Nordeste – começaram a dar forma ao que muitos chamam de lampejo, outros de inspiração, mas que podemos resumir, na verdade, como um encontro feliz, assim como o enlace da unha com a carne, o vinho com a taça, Mozart e eu.

Surgiu daí um novo projeto. A originalidade dos traços de Cavani somada à experiência e sagacidade textual de Navarro apresentam, neste despretensioso blog, quadrinhos da obra “Se os tubarões fossem homens” – do poeta, dramaturgo e encenador alemão Berthold Brecht.

A partir da tradução de Paulo César de Souza (que traduziu, entre outros, obras de Nietzsche, Freud, Lacan e outros), o pequeno conto ganhou corpo no roteiro de Fred Navarro e metamorfoseou-se em história pelas mãos livres de Cavani Rosas.

Para Fred Navarro, trabalhar em parceria com Cavani é fazer um jornalista viver a metáfora do letrista que conhece a fundo aquele que irá compor a melodia. “Cavani põe em seus trabalhos um alto nível de detalhamento e isso é uma de suas molas propulsoras. Admiro suas produções, escrevi o roteiro já sabendo o que Cavani poderia explorar com sua capacidade artística”. Quando levada à mesma questão ao artista pernambucano, as palavras saem como se já preparadas. “Fred é um exemplo a ser seguido, um leitor assíduo, inteligente, conhecedor do que faz e dono de uma cultura inestimável”. Ponto para nós, que temos a oportunidade de ver, conviver e trocar informações em vida com seres de tamanha sabedoria e olhar apurado para o que merece ser preservado.

O conto

Em “Se os tubarões fossem homens”, Brecht apresenta uma de suas variadas interpretações a respeito da sociedade e sua forma hierárquica de ser, tal como dita – com outras palavras – por Thomas Hobbes quando afirmou que, em suma, o homem é lobo do homem.

Peixes pequenos reféns de maiores. Peixes pequenos servos de teorias e ideologias doutrinadas superfície abaixo. Peixes pequenos sendo preparados para, conscientemente, serem devorados pelos donos do pedaço. Os tubarões são retratos do que hoje temos e com tais convivemos desde o momento em que o macaco lançou o osso, o homem descobriu o fogo e criou a pólvora. Alimentou, assim como Narciso, o pensamento de que tudo pode desde que tudo queira. E desafiar o ‘estabilishment’ ensinado num mar de águas calmas é anunciar sua própria sentença de morte.

Peixinhos vão, peixes permanecem, peixões prevalecem. Assim foi, assim é e assim será. Até que um raio caia e, quem sabe, a tábua de esmeralda reescreva com mãos divinas um novo testamento.

Deguste, abaixo, o conto em cinco páginas e ouça (acima), na voz de André Abujamra, a história de Bretch.

Baseado no conto de Berthold Brecht. Roteiro de Fred Navarro. Ilustrações de Cavani Rosas.

Participe. Deixe seu comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s